Notícias

Os Efeitos da Baixa Umidade do Ar Sobre os Cabelos

14-04-2016

A água é a substância mais abundante nos sistemas vivos perfazendo 70% ou mais da massa de nosso corpo. Possui propriedades físico-químicas que a torna vital em todos os processos metabólicos responsáveis por nossa sobrevivência.

A umidade existente no ar é proveniente da evaporação de toda e qualquer superfície que contenha água, incluindo nossos cabelos. O índice normal de umidade do ar é de 60% a 65%, porém, em períodos de seca, ocorrem problemas respiratórios devido ao ressecamento de mucosas, complicações respiratórias, sangramento pelo nariz, ressecamento da pele, irritação dos olhos e aumento da eletricidade estática nas pessoas.

Os cabelos também requerem muitos cuidados neste período. O ambiente seco rouba a umidade natural dos fios tornando-os ressecados e sensibilizados. A pele seca repuxa, gerando um incômodo que funciona como um aviso de que está desidratada. Os cabelos vão perdendo a vitalidade celular e intercelular que só é percebida quando o índice de danificação já avançou o suficiente para tornar os cabelos ressecados e sem vida. O ar seco vai roubando lentamente a água presente na fibra capilar promovendo um desgaste das cutículas e uma perda gradativa das estruturas intercelulares responsáveis pela união e manutenção das cutículas. Os raios solares que incidem sobre os fios secos, agem mais intensamente sobre as membranas celulares desestruturando-as. As fibras de queratina são expostas e o fio se parte com mais facilidade. O shampoo passa a lavar mais do que devia. O condicionador desembaraça no momento da aplicação, mas depois de seco, os cabelos ficam mais arrepiados e sem brilho.

Tratar os cabelos saudáveis de forma preventiva é muito mais gratificante que tentar recuperá-los depois de danificados. A baixa umidade do ar aliada ao sol, vento, poluição, ar condicionado etc., atuam sobre os cabelos tal qual uma química tornando-os porosos, opacos e quebradiços, fragilizando-os e sensibilizando-os.

Quando a umidade do ar está mais elevada, a pele e os cabelos agradecem ficando naturalmente mais hidratados e, portanto, mais macios e flexíveis. Os tratamentos de hidratação e revitalização dos cabelos dão melhores resultados e as químicas de coloração, descoloração e relaxamento danificam menos os fios.

Mas todo profissional deve saber que, quando o clima está seco a atenção aos cabelos deve ser redobrada. É hora de usar e abusar de hidratantes capilares sem enxágüe. A hidratação e revitalização dos cabelos devem ser feitas semanalmente neste período. O shampoo deve ser mais hidratante e condicionante para que lave menos e proteja mais. A água do banho deve ser morna para que não desvitalize os cabelos. Antes de usar o secador e a prancha devem-se aplicar quantidades mais generosas de hidratante sem enxágüe.

Cabe ao profissional orientar seus clientes indicando todos os cuidados necessários, que também inclui beber muita água e manter o ambiente mais umedecido. Os hidratantes funcionam como barreira contra a evaporação formando um filme de proteção que impede que a água seja seqüestrada pelo ambiente seco. Os ativos hidratantes fixam a água por pontes de hidrogênio dificultando sua evaporação. No entanto, mesmo protegidos, se o tempo estiver muito seco, vale a pena umedecer ligeiramente os cabelos e reaplicar o leave-in.

Os cabelos hidratados e protegidos diariamente vão ficando cada vez mais macios, sedosos, resistentes e com brilho realçado.

Sindibeleza © 2017 | desenvolvido por genericapontocom